domingo, 4 de janeiro de 2015

Natal na guerra, por Jaime Froufe Andrade


Noite alta.

Na Cantina do Freitas, em Moçambique, jogava-se com vício e paixão.
No fim de cada partida havia sempre grande alarido.
 
Os vencedore...s, ávidos, conferiam os ganhos, metiam as moedas, as notas, nos bolsos do camuflado.
Os azarados lamentavam as perdas com pragas, blasfémias.
 
 
Para quem perdia, havia, de certeza, marosca nos lances.
Suspeita misturada com o cheiro a tabaco, liamba, cerveja, suor.
Por vezes, estalavam ferozes zaragatas.
 
Eu também fui depenado.
Levantei-me furioso da mesa de jogo.
Envenenado pela sensação de ter perdido com batota, rosnei insultos, soltei palavrões.
Mas já outro tomava o meu lugar na mesa da "lerpa".
 
Esse minúsculo reduto militar, onde antes funcionara a cantina do Freitas, ficava entre o Malawi e a Zâmbia, na província de Tete.
 
 
Ali, os serões da tropa eram iguais.
Sempre iguais.
Nessa noite, consoada de 1969, não houve trégua.
A estúrdia e os excessos até subiram de tom.
 
Agastado, a ruminar desforras, procurei consolo na minha viola.
Essa vítima dos meus maus blues acompanhava-me para todo o lado.
Dessa vez, nem a viola me valeu.
E saí.
 
 
A caminhar ao longo do arame farpado, sentia-me outro.
Levantei os olhos para o céu.
Um céu muito estrelado.
Pensei no Natal.
E tentei descobrir o tal astro mágico que guiou os reis magos até Belém.
Ébrio de estrelas, perdi-me naquela refulgente aletria cósmica, esqueci a batota, as minas, as emboscadas.
A picada.
E, no entanto, esse palco de tragédias estava ali, à vista.
 
 
Subitamente um vagido encheu de sentido a noite.
A poucos metros, numa palhota para lá da cerca de arame farpado, nascia um menino.
Um menino negro, entre palhas.