domingo, 13 de novembro de 2016

De lenço na mão, por Firmino Ruas Mendes


De lenço na mão.


Terminou há pouco a transmissão da grande reportagem emitida pela TVI - MULHERES DA GUERRA - que vi atentamente e que, a cada minuto que passava, me faziam tolher os nervos, me enegreciam a alma, me paravam a respiração e me deixava sem palavras.

Foram poucos minutos de emissão, mas largos na sua plenitude, na recordação das memórias inexoráveis da desgraça, das lembranças de anos perdidos, da dor e da tristeza.

Bebi, sábias palavras, saídas da boca de mulheres e filhos. 

Pensei nos meus que da guerra, felizmente, apenas sabem o que o Pai lhes conta.

Cheguei ao fim, emocionei-me, chorei e vou guardar o lenço que me enxugou aquelas gotas salgadas, para, junto do meu espólio "pós mortem", sirvam como memória futura.